terça-feira, outubro 16, 2007

Vilarinho tem o melhor cemitério do concelho de Santo Tirso



Tarcísio Silva, presidente da Junta de Vilarinho, reafirmou no passado sábado o que já há algum tempo havia dito à comunicação social. O novo cemitério da freguesia “é a obra do século”. E mais certezas parece ter agora que a obra está pronta, recordando aquando da cerimónia da sua inauguração (realizada a 13 de Outubro) a desconfiança de alguns que, não acreditando que a obra se realizasse, chegaram a colocar um cartaz no local, alertando os vilarinhenses com a afirmação “Não vos deixeis enganar”.

Tarcísio Silva parece não ter dúvidas que a obra criou “mau estar em diferentes sectores” e que agora que está pronta, até há quem diga “que não era esta a primeira necessidade da freguesia”. Tarcísio Silva, claro, acha que sim, que era prioritária, revelando-se convicto de que “o povo de Vilarinho afinal “é suficientemente inteligente e sabe em quem confiou os destinos da sua terra”.

Na realidade, está é uma obra em grande: mais de 400 sepulturas, dez capelas e 800 gavetões de ossários. Em causa está um investimento camarário superior a meio milhão de euros. “Subscrevo as palavras do presidente da Junta, está é a obra do século”, afirmou Castro Fernandes. O presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso foi mais longe dizendo ser este “claramente o melhor cemitério do concelho de Santo Tirso”.

Mas para que “a obra do século tenha outra dimensão”, reclamou Tarcísio Silva, falta construir a Capela Mortuária. Por ventura consciente das reivindicações do autarca, Castro Fernandes deu a conhecer ali mesmo o projecto para aquela infra-estrutura, que, à semelhança do cemitério, tem a assinatura do arquitecto Jorge Rodrigues. O presidente da Câmara anunciou, deste modo, “para breve” a construção da capela que será integrada num pequeno espaço ainda disponível no novo cemitério.

Durante a cerimónia de inauguração – a que assistiram muitos vilarinhenses - Castro Fernandes congratulou-se também pela assinatura do protocolo com a Junta de Freguesia referente à gestão e conservação daquele espaço. O objectivo do documento é regular a venda de sepulturas, no sentido de este “durar para muitos anos”: Em síntese, acrescentou o autarca “só serão vendidas campas no acto do falecimento, não haverá vendas antecipadas”.

1 comentário:

Pacheco, José disse...

Noticia no
Sentir Vilarinho sobre o cemitério de Vilarinho. Bom trabalho, keep on fun
José Pacheco