quinta-feira, dezembro 20, 2012

FICÇÃO // ENTREVISTA À VACA E AO BURRO DO PRESÉPIO

Desaparecimento 
do Burro e da vaca do 
presépio obedece 
a estratégia do governo  

O papa escreveu que eles não passavam de uma invenção, mas o burro e vaca do presépio dizem que os escritos do papa mais não são do que um estratégia do governo para fazer “saltar” para o presépio o Coelho e, desta forma, passar a mensagem de que o estábulo é a casa de futuro de todos os portugueses.

ENTREVISTA
O Papa fez, na semana passada, novas revelações sobre o nascimento de Jesus Cristo, com a publicação do livro “A Infância de Jesus”. Bento XVI afirma, por exemplo, que a vaca e o burro no presépio de Belém são uma invenção. Na gruta onde nasceu Jesus Cristo, defende o Papa, não existiam animais, logo, a presença da vaca e do burro não passam de uma ideia errada. No entanto, há algo que continua inequívoco para sua santidade, ou seja, a virgindade de Maria. Diz Bento XVI que Jesus Cristo é fruto de uma nova criação e que foi concebido por obra do Espírito Santo.

Bento XVI diz que, afinal, vocês não estavam lá, no presépio. É verdade?
Burro Que me desculpe, mas sua santidade não sabe do que fala.

Não?
Burro Não. Não estava lá, ora.
Vaca Já não me bastava este nome e tinha agora de vir o Papa dizer que não estava no presépio que, na verdade, era a única coisa de respeito a que me associavam. Não faz sentido. Estou indignada.  

Mas então, como explicam que o Papa vos tenha ‘retirado’ da gruta?
Vaca O problema começa logo pelo nome que o Papa dá as coisas. Aquilo não era uma gruta, era um estábulo. E todos nós sabemos que, para além das pastagens, o estábulo é o nosso habitat natural. Logo, se alguém estava lá a mais, não éramos nós, com certeza.

Isso não me aprece muito bem-educado para com a virgem Maria, S. José e muito menos para o com o menino Jesus?
Burro Pois não, mas também não é muito bem-educado sermos constantemente ignorados. Já reparou que só falam dos três Reis Magos?. E estes só lá foram fazer uma visitinha de médico. Na volta, os camelos têm mais protagonismo do que nós.

E isso chateia-vos?
Vaca Claro que sim. Porque, bem vistas as coisas, quem esteve sempre ao pé do menino Jesus fui eu e o burro. O que seria do menino Jesus sem a nossa presença. Não chegava aos 33, não!

Não percebo?!
Burro Já estou como o antigo selecionador, “e eu é que sou burro?”. Não nos podemos esquecer que aquilo era um estábulo e que naquele tempo não havia termoventiladores para soprar calor aos pezinhos do menino. Por isso, quem acha que fazia esse trabalho? O nosso bafo é poderoso, está bem de se ver.

Faz sentido, de facto. Mas não me parece motivo para tanta indignação.
Vaca Não?! Mas olhe que não somos os únicos. Ainda ontem me cruzei com o senhor presidente da Câmara e ele estava furioso.

Com o senhor presidente da Câmara? Não sabia que eram íntimos
Vaca Não somos íntimos, mas desde que Santo Tirso é a capital do presépio que falamos amiúde. E claro, percebo a indignação do senhor engenheiro: então, tiram-lhe a maternidade e agora querem-lhe retirar o burro e a vaca do presépio? Tem razão, sim, o senhor o presidente em protestar.

Mas a quem podem vocês protestar? Já para não falar no velho ditado que diz que “vozes de burro não chegam ao céu”.
Burro Mas também só precisamos que cheguem a Belém. O presidente da República tem de fazer alguma coisa.

Cavaco Silva? Mas que tem o presidente da república a ver com o assunto?
Vaca Bem sei que o senhor presidente da república prefere estar calado, mas quero acreditar que faz alguma coisa nos ‘bastidores’ e que ainda tem estofo para puxar as orelhas ao Coelho?

Está a falar do primeiro-ministro?
Burro Naturalmente. No que foi com o pai-natal ao circo é que não é, de certeza.  

Mas continuo sem perceber: o que tem o presidente da Republica e o primeiro-ministro com o assunto?
Burro Razão tinha o Scolari… mas adiante. Não se esqueça que o governo ainda recentemente andou em negociações com a Santa Sé. E, à custa disso, ficamos sem quatro feriados. Mas acha que a obsessão pela austeridade se ficou por aqui? Claro que não. Não foi o Papa que nos aniquilou do presépio, foi o governo. Bem sabe que este governo só pensa em cortar, cortar, cortar… E para legitimar mais um corte, há que pedir ao Papa para dizer que nós, afinal, somos uma invenção. E claro, o Papa como lhes devia um favor, por ceder ao corte de apenas dois feriados religiosos, não foi capaz de dizer que não ao pedido do Coelho.

Isso parece-me um pouco kafkiano…
Burro Perdão?

Não interessa. Mas, na realidade ainda não o disseram: como provam que afinal estavam no presépio?
Burro Com arte. Não a contemporânea, que nos transformou a todos em estacas, num pseudo-abstraccionismo que não lembra o diabo. Mas com os impressionistas, os renascentistas. Esses sim, sabiam bem como nos retratar.

Admitem fazer greve este Natal?
Vaca Não, não… até porque não nos podemos fiar na virgem.

Como assim?
Burro Não podemos correr o risco de o governo recorrer à requisição civil.

Mas porque haveria o governo de recorrer aos serviços mínimos se dizem que foi ele que vos aniquilou?
Burro Pois, aí é que está a questão. Toda esta história não passa de mais um estratégia do governo para fazer saltar um Coelho para o presépio e assim passar a mensagem de que o estábulo será a casa de futuro de todos os portugueses. E para intrusos, já nos basta a Virgem, S. José e o menino Jesus.

Verdadeiramente kafkiano!
Burro, vaca Perdão?!